quarta-feira, 25 de março de 2009

Amálgama de tons

Desde pequeno estas ruas saltam as minhas memórias. Vívidas, resplandecentes, quase falantes. Só hoje consigo entender os seus significados, silogismos decifrados no silêncio da minha introspecção. As ruas, os personagens e a cultura que a cidade abriga estão amarrados para encantar olhares atentos e os sentidos apurados de quem passa por aqui. Só Cachoeira tem esse cheiro seco, essa brisa quente e a cerveja gelada de todas as tardes. Parece que índios, escravos e senhores de engenho - e tantos outros personagens que fizeram história aqui - deixaram como herança uma energia vanguardista que habita até hoje num cenário tão tradicional e secular.

Cada rua comporta uma mistura de cores, engenharias e arquiteturas. As pessoas são falantes, festeiras e receptivas. Cachoeira é um caldeirão, de religiões, de raças, de idéias. Em cada esquina uma igreja e um terreiro de candomblé. Um apostólico e um macumbeiro. Uma beata e uma mãe de santo. Todos acabam no mesmo ritmo permissivo do resto da cidade. Por aqui se espalham poetas, pescadores, artistas, párocos, revolucionários, intelectuais, comunistas, políticos, professores, estudantes e putas. Caricaturas que povoam romances e criam grandes estórias habitando em um só canto do mundo.

Foi nesse saracotear desregrado e nesse mosaico de todos os ladrilhos que Cachoeira completou 146 anos de emancipação política no último dia 13. Parabéns, Cidade Heróica, não só pela idade, mas por tentar preservar sua identidade histórica e sua cultura popular, por receber tão bem os filhos de outras terras, por deixar suíços, franceses e baianos boquiabertos todos os dias e principalmente por transformar as diferenças em sincretismo, por ser uma amálgama de pessoas, ritmos e credos. Me encanto com os seus olhares!












Texto e Fotografias: Fernando Mota

10 comentários:

Vanda disse...

Linda cidade!!! Parabéns!!!!

Rafael Araponga disse...

Nando, voa , voa e expressa os dons que Deus te deu, parabéns por sua literatura...


ta muito lindo o espaço aqui


abração e boa sorte

e seu blog , coloquei o link dele como blogs parceiros


te cuida.

O Teórico disse...

Grande Fernando, primeiramente obrigado pelos elogios ao meu texto e pelo link,.

E segundo, quero dizer que gostei muito do que li por aqui, vc escreve muitissimo bem. Sinta-se igualmente 'linkado' em meu blog.

abraços

Priscila Vasconcelos disse...

O blog tá lindo!!
ja tinha passado da hora de você expor sua criatividade literaria!

sucesso, Pinho!

Samille disse...

Nando, antes começar a ler o blog eu já tinha certeza de que poderia esperar as melhores prosas engavetadas do mundo. Esse texto em especial me encantou e fez a minha saudade de Cachoeira aumentar... :). Quero logo são joão nessa cidade maravilhosa. E quero logo rever todos vocês que tanto me fazem falta! =*. Beijãão, lindo Nando! :)

Adriana disse...

Que lindo meu amoor! Nunca pensei que uma pessoa podesse descrever Cachoeira dessa forma, tão sútil, tão sofisticado i ao mesmo tão simples! Belissímo viu?

tee amoo!

Tetê disse...

que maneira linda e perfeita de se mostrar ao mundo
!

e de permitir ser visto
!

Fernando Mota disse...

Cachoeira inspira a todos, parte do mérito é todo dela!

Abraços, pessoal!
=]

Loly disse...

Cachoeira é meu porto seguro, respira poesia por todos os cantos, tem um mistério que atrai e envolve.
E você conseguiu descrevê-la do jeito que vês, que sente, com todas as suas palavras divinas. Estou orgulhosa de pertencer a uma terra tão amada e homenageada por uma pessoa que tanto adimiro. Parabéns amoow, muito lindo!

idalia souza disse...

Cachoeira...
Minha rima
minha prosa
meu verso
Falado
Cantado
Lindo
ouvido...

Meu amor nasce, cresce...
Mas n morre...
E se por acaso adoece...
Ela
A HERÓICA CACHOEIRA faz renascer...


Lindas fotos
Maravilhoso texto...!