segunda-feira, 30 de março de 2009

Insólito

Eu não sei decifrar as linhas das minhas mãos, dizem que o emaranhado de filetes grossos e longos possuem uma gama de significados. Para mim, elas não passam de dobras nas articulações, já outros conseguem enxergar sem dificuldade o conteúdo de cada ramificação bifurcada espalmada nas mãos.

A verdade é que quando olhei para o outro lado me deparei com a caricatura de uma cigana, vestido vermelho rubi, forte, aceso. Olhos misteriosos, que saltavam às minhas vistas como faróis incandescentes. Dourado, muito dourado espalhado pelos detalhes do seu corpo, nas orelhas, nos pulsos, no pescoço, nos dentes. Ela me soltou um sorriso de canto de boca, queria se aproximar. Eu consenti retribuindo-lhe o sorriso.

Andou sem pressa, saracoteava, rebolava e girava a sua saia rodada enquanto se aproximava. Arrastou uma cadeira e se sentou exatamente na minha frente, sem falar uma palavra pediu a minha mão direita. Analisou cada linha com sutileza, pormenorizando os detalhes e os caminhos que faziam os pequenos filetes que compunham a minha mão.

Depois de algum tempo ela começou a dar o seu veredicto, sobre o que eu era e o que eu viria a me tornar. Conclusões tão previsíveis e genéricas que poderiam ser aplicadas a qualquer homem que estivesse sentado numa mesa de bar, fumando cigarro e tomando uísque escocês. Ela se insinuava, mostrava o decote ladeado pelos bordados caseiros do seu vestido.

Os seus olhos fuzilaram os meus e saíram em despedida, levando meu uísque e alguns trocados, que ela mesma me roubou no bolso do paletó. A multidão já ocultava o rebolado frouxo escondido pelo vestido. Na beira da calçada fiquei apreensivo, medo de atravessar e morrer como Macabéa, a noite fora muito insólita e só um desfecho como este para encerrar o meu tempo de morangos. Seria até poético morrer assim. Mas o destino foi outro, e tão imprevisível como as palavras da cigana.

Atravesso a avenida, entro no meu carro e na primeira esquina atropelo a mulher de olhos misteriosos que reinventara o meu futuro com suas previsões e esquecera do seu. Olho nos seus olhos pela última vez, mas não carrego remorso, afinal, alguém, algum dia, teria mesmo que vingar a pobre da Macabéa.

12 comentários:

Tetê disse...

como quem guarda um segredo
.


gostei!

Anônimo disse...

Vida imprevisível dá no mesmo que validade invisível e amor imperecível. Nesse caso eu acho que prever o que acontece dez minutos depois de tomarmos um tanto de uísque é meio difícil. Do mesmo jeito que 'bebida entra, verdade sai', 'bebida entra, coragem e/ou atitude saem', querendo ou não, mas na maioria das vezes QUERENDO. Acho que sabe do que eu tô falando.

MUITO BOM mais uma vez.
Beijos.

X-Tina disse...

DSDKPSAKPODSA'

Sorte para nosso blog' ;D

http://x-tinabitch.blogspot.com/

Abraçaun' *--*

L ! disse...

Fascinante, meu jovem!
Desfecho magistral!

[ Em memória da Lispector ]

^^"

http://adytaness.blogspot.com/

[ Obrigada por acompanhar... se possível e assim o quiser, junte-se aos seguidores! ]

Será muito bem vindo!

=***

Tiago Sant'Ana disse...

Com toques de autobiografia.

UAHuhAhuAHUuhA

Esse texto eu já conheço.

Tiago Sant'Ana
www.jornalistadepeso.blogspot.com

Fernando Mota disse...

Valeu, pessoal!


Algumas situações me levaram a escrevê-lo, um pouco de autobiografia, não é, Tico?

hahahahaha

Abraços em todos!

Samille disse...

Adoro esse seu conto, Nando!! Tive o prazer de conhecê-lo (salvo engano) duranta uma aula de oficina de textos! =].

Tua escrita me encanta! ;*. Aliás, você é todo encantador! =D


Beeijos.

Sdds!!

Fernando Mota disse...

POR FAVOR, ANTES DE POSTAR COMENTÁRIOS, IDENTIFIQUE-SE!

Cristiano disse...

Você tem uma poesia dentro de sua atmosfera que caracteriza o jornalismo do cotidiano, meu caro.

Sua escrita é verdadeira, progressiva, descritiva e sensata. A sinceridade fala mais alto, porque você escreve o que seu coração fala. E isso é magnífico!

Há poesia no jornalismo, sempre! E avante!

Parabéns.


Cristiano Contreiras
www.bonequinhodeluxo.com

www.incensurados.blogspot.com

Lore disse...

Fantásticooo!

Simone disse...

Tua escrita me encanta![2]

Já te disse que sou apaixonada pelos seus textos... muuito bom!

Ná disse...

Ficou muito bom a intercecção com Macabéa!!.. Aff meu amoor, você vai longe! To torcendoo! ;*